Follow by Email

quinta-feira, 28 de março de 2013

INTERNET



Para trabalhar com as mídias, e principalmente com a internet na escola, na sala de aula é necessário mudar, pensar em outras formas de relacionar no processo de ensino e aprendizagem,  não é uma forma metodológica vai além, é muito mais... É pensar na colaboração entre os sujeito, é pensar na possibilidade  da sala de aula “sem paredes”.
O professor tem que sai do lugar do "sabe tudo", atuar junto com os alunos e potencializar a sua própria formação. As tecnologias pedem por isso, as incerteza são pertinentes, as dúvidas tem espaço, o vou descobrir é a todo momento, a interação tem que fazer parte do processo pedagógico. O avanço histórico da Internet é rápido, pensando dessa maneira a mudança de pensamento e articulação da formação tem que ser rápido também, a possibilidade de construção de conhecimento é muito rápido, as informações circula em forma de rede. 

domingo, 24 de março de 2013

Rádio e TV - Mídias na Educação

A introdução de rádio e tv nas escola diz respeito as possibilidades de utilização dos recursos da mídia no desenvolvimento de projetos educativos dentro dos espaços escolares. 
O rádio é  um meio de trabalho para o ensino aprendizado da língua portuguesa. É uma forma de exercitar o ouvir, assim com a televisão e o vídeo também pode contribuir para as atividades e práticas em sala. São possibilidade educacional que atrai todos os alunos gerando interesse e incentivo e através dos Projetos Políticos Pedagógicos e das ações pedagógicas criativas é possível construir e elaborar uma educação diferente, a partir da utilização dessas mídias. Antes da internet o rádio e a televisão era um ponto de encontro entre muitas pessoas. No entanto o rádio na escola é um meio de comunicação que mais pode ampliar a oralidade, porque tem como característica direta a comunicação oral, há maior semelhança com a linguagem cotidiana. O acesso aos meios de comunicação, no caso o rádio, é um passo para a conquista da cidadania.

O rádio é a escola dos que não têm (sic) escola. 
É  o jornal de quem não sabe ler; 
é o mestre de  quem não pode ir à escola; 
é o divertimento  gratuito do pobre; 
é o animador de novas  esperanças, 
o consolador dos enfermos e o guia  dos sãos – 
desde que o realizem com espírito  
altruísta e elevado. 
(Roquette Pinto)